Infalivelmente falível

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Hoje descobri que falhei em algo em que não esperava falhar. Pior, achei até que não falharia mesmo sem ter me esforçado para não falhar. Apesar de saber, racionalmente, que eu poderia falhar, a verdade é que quando ficou evidente que falhei, me senti muito decepcionado. Isso também foi uma falha, pois achava que não me sentiria decepcionado se falhasse. E isso também é uma falha, achar que eu poderia ser infalível, inclusive na aceitação da falha. Tudo originado no orgulho.

2 comentários:

Juliana Leone disse...

Uma falha a ser notada a mais: falhamos em nos definir como seres que falham, porque o próprio conceito de falha é mais uma falha.

Querer viver sen estar atrelado a esse conceito seria, como já foi postado por aqui, colocar mais lenha no fogo para apagar.

Hoje tive experiência no mesmo âmbito. Falhei ao me afundar em frustrações.

Solução? Ensina o Monge Genshô: nem ignorar (a falha, o orgulho, o desejo), nem perseguir. Faça um zazen de 5 minutos. Façamos esse zazen sem qualquer pretensão a não ser de fazê-lo.

Muitos sábios disseram que para eliminar a escuridão precisamos apenas acender uma única lâmpada. Gassho.

João Jōken disse...

Gasshô!